Tamanduá-do-norte

(Tamandua mexicana)

Outros nomes comuns

Taxonomia

Ordem: Pilosa
Família: Myrmecophagidae

Descrição

Este tamanduá de tamanho médio tem comprimento de cabeça e corpo de ca. 56 cm, uma cauda de 40–67 cm e peso de 3–6 kg. É um pouco menor e tem orelhas proporcionalmente menores que T. tetradactyla. Os olhos e a boca desdentada são pequenos. Possui quatro garras nos membros anteriores, sendo a segunda e a terceira garras bem desenvolvidas. O pelo curto e grosso cobre todo o corpo, exceto a ponta da cauda preênsil, últimos três quartos, é desnuda. A coloração mais comum é amarelo-bronzeado, tendo um colete negro nas costas e laterais, há também indivíduos totalmente amarelados, sem o colete.

dieta

Este tamanduá se alimenta principalmente de formigas e cupins terrestres e arborícolas, mas também foi observado consumindo fruta de palmeira. Os tamanduás-do-norte exploram 50–80 formigueiros ou cupinzeiros, onde comem cerca de 9000 insetos por dia.

Distribuição

A distribuição do Tamandua mexicana vai do sul do México, passando pela América Central até o noroeste do Perú e da Venezuela.

Fatos curiosos

A língua do tamanduá-do-norte pode medir até 40 cm. Os tamanduás caminham apoiado nas laterais das mãos, com os dedos e garras dobrados para dentro, distribuindo assim seu peso sobre o tecido grosso dos coxins.

Tendência populacional

Desconhecida.

Ameaças

Atropelamentos, incêndios florestais, caça, desmatamento e degradação de hábitat estão afetando este tamanduá, no entanto é desconhecido o alcance dessas ameaças. Nas áreas rurais do Equador, T. mexicana é perseguido devido à crença local que ataca os cachorros domésticos. É usado como animal de estimação ao sul do México e, em algumas áreas, pode ser caça de subsistência para os povos indígenas.

Habitat e Ecologia

Tamandua mexicana ocorre em florestas tropicais e subtropicais secas e úmidas, incluindo hábitats mistos com vegetação caducifólia e perene. Também podem ser encontrados em manguezais e pastagens com algumas árvores, florestas secundárias e hábitats perturbados. Pode se movimentar, alimentar e descansar no solo e nas árvores. Esta espécie é comum em hábitat apropriado; no entanto, é considerada pouco comum no Equador. A densidade populacional estimada varia de 0,06 indivíduos/ha na Costa Rica a 0,13 indivíduos/ha no Panamá. Sua área de vida tem sido estimada em 25 ha na América Central e Equador e 70 ha no Panamá. Sua longevidade estimada é de 9,5 anos.

Reprodução

A reprodução pode ocorrer em qualquer época do ano. A gestação dura entre 130–150 dias, nasce somente um filhote que é cuidado pela mãe por aproximadamente um ano.

Estado de conservação

Tamandua mexicana está na categoria Menos Preocupante (LC) devido à sua ampla distribuição, potencial tamanho populacional grande, presença em muitas áreas protegidas, tolerância a hábitats alterados e porque é pouco provável que a população diminua tão rápido para classificá-lo em uma categoria de ameaça.