Tamanduá-mirim

(Tamandua tetradactyla)

Outros nomes comuns

Tamanduá de colete

Taxonomia

Ordem: Pilosa
Família: Myrmecophagidae

Descrição

Este tamanduá de porte médio apresenta 47–77 cm de comprimento, cabeça e corpo, e possui uma cauda preênsil de 40–67 cm. Seu peso varia entre 3,5 e 8,4 kg. O focinho não é tão longo quanto o do tamanduá-bandeira, mas semelhante ao seu parente de maior porte possui uma boca pequena e desprovida de dentes, uma língua comprida (com até 40 cm), olhos pequenos e orelhas arredondadas. Os tamanduás-mirins podem ser dourados, castanhos ou pretos e podem ainda apresentar um padrão de pelagem preta em forma de colete, parcial ou completo. Os membros anteriores possuem três dígitos com garras, sendo que o terceiro apresenta a garra mais proeminente a qual é usada para abrir ninhos de formigas e de cupins, bem como para defesa. A parte ventral das patas do tamanduá-mirim é composta por tecido fibroso que as protege das pontas das garras enquanto eles caminham.

dieta

Este tamanduá alimenta-se principalmente de formigas e cupins, os quais encontra pelo odor tanto detectado no chão quanto nas árvores. Eles também se alimentam de abelhas e de mel.

Distribuição

Esta espécie ocorre a leste da Cordilheira dos Andes desde a Colômbia, Venezuela, Ilhas Trinidade e Guianas até o sul da América do Sul, no norte do Uruguai e nordeste da Argentina.

Tendência populacional

Desconhecida.

Fatos curiosos

O nome Tamanduá vem da língua indígena Tupi, uma tribo brasileira do vale do Rio Amazonas, e significa papa-formigas.

Ameaças

Não há maiores ameaças a este pequeno tamanduá, contudo em algumas proves da sua distribuição ele é caçado pela sua carne, por cães domésticos, ou vendido como animal de estimação. O comercio internacional do tamanduá-mirim como animal de estimação é um crescente motivo de preocupação, pois os animais destinados a esta atividade são retirados da natureza e os níveis de mortalidade antes que cheguem ao mercado são muito altos. A degradação e a perda de habitat, as queimadas e o tráfego e os atropelamentos nas estradas representam uma ameaça em algumas regiões. No Uruguai, T. tetradactyla é afetado pela perda de habitat devido a mudanças no uso da terra.

Habitat e Ecologia

O tamanduá-mirim é solitário, semi-arbóreo e ocorre em uma vasta diversidade de habitats, incluindo as áreas do Cerrado, manguezais, campos, florestas estacionais, áreas alagadas, o Chaco, e florestas tropicais. Pode ser noturno, diurno ou crepuscular, dependendo da disponibilidade de presas e da temperatura do ambiente. A área de vida estimada varia de 0,1 a 3,7 km² , e os valores de densidade então entre 0,12 indivíduos/km² em áreas de várzea (planícies alagadas) a 0,41 indivíduos/km² nas florestas.

Reprodução

O tamanduá-mirim entra na idade reprodutiva por volta dos dois anos de idade. Um único filhote com cerca de 390 gramas nasce após cerca de 160 dias de gestação.

Estado de conservação

Tamandua tetradactyla é classificado como espécie de Menor Preocupação (LC) por conta de sua ampla distribuição, população presumidamente grande, sua ocorrência em áreas protegidas e porque é improvável que suas populações reduzam tão rápido que qualifique a espécie para a classificação numa das categorias de ameaça.